Proteste encontra pedaços de insetos em 14 marcas de café provavelmente você usa umas dessas marcas ou ja usou

**Devido ao grande interesse pelo assunto, informações foram adicionadas e o texto foi atualizado no dia 19/08/2016, às 9h.
O mercado de cafés brasileiros foi pego de surpresa com resultados alarmantes de uma pesquisa realizada PROTESTE (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) no ano de 2015. Nela, 14 marcas de café (daqueles que se encontra em supermercado) sofreram testes laboratoriais e o resultado foi alarmante.
De acordo com o relatório da PROTESTE, foi detectado grande quantidade de fragmentos de insetos e impurezas em torrados e moídos tradicionais embalados a vácuo. O resultado dos testes laboratoriais também achou em uma marca – Café Jardim – “a presença de quase o triplo do limite permitido para uma toxina, na marca Café Jardim. A ocratoxina A em café verde ocorre pela incidência de algumas espécies de fungos e é um possível carcinógeno humano”.
Na época, o teste envolveu rotulagem, higiene, análises físico-químicas e sensoriais. As marcas testadas foram: 3 Corações, Bom Jesus, Caboclo, Café Brasileiro, Café do Ponto, Fort, Jardim, Maratá, Melitta, Pelé, Pilão, Pimpinela, Qualitá e Seleto. Todas apresentaram algum tipo de irregularidade em proporções diferentes conforme mostra a tabela abaixo:
Marca Fragmentos de insetos em 25g
Café Bom Jesus 181
Café Brasileiro 193
Caboclo 210
Café do Ponto 149
Melitta 58
Café Pelé 59
Pilão 53
Qualitá 186
3 corações 136
Seleto 130
Café Fort 138
Café Maratá 201
Café Pimpinela 94
Café Jardim 372
**tabela fornecida gentilmente pela PROTESTE.
Segundo a Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) de março de 2014, existe um limite permitido de fragmentos de insetos no café torrado e moído: 60 micropartículas em 25 g de café. Como muitas marcas estão dentro desse limite estabelecido por lei, sua comercialização é permitida. O assunto é mais antigo que se pensa. Em 2014, o jornal A Folha de S.Paulo publicou a reportagem Anvisa cria regras para ‘sujeira tolerada’ em alimentos e lista esses limites em outros alimentos e bebidas.
Segundo a Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC), esses resultados foram acompanhados de perto quando publicados. Houve um esforço para manter contatos frequentes com a ANVISA para interpretar o método de análise dos fragmentos microscópicos. “A conclusão é que o método de análise por fragmentos é inadequado e não assegura confiabilidade aos resultados. Duas análises do mesmo café podem apresentar resultados diferentes e, com isto, prejudicar a análise e as marcas testadas. O assunto ainda merecerá mais estudos e discussões”, conta o Diretor Executivo da ABIC, Nathan Herszkowicz.
Na época, a notícia foi veiculada em outros veículos como Food Safety Brazil, O Dia, Cafeicultura e Cura Pela Natureza. Como esse teste foi feito há um tempo, “não podemos garantir que os problemas detectados na época persistem hoje”, afirma a assessoria de imprensa da PROTESTE.
Como sugestão de consumo de café tradicional, a PROTESTE compartilhou nesse link algumas marcas que foram aprovadas e seu consumo é seguro.
As classificações do café –
As classificações tradicional, gourmet, superior utilizadas no mercado são determinadas de acordo com os defeitos e impurezas que podem ser encontradas no café. Nesse link, a ABIC explica direitinho os métodos adotados em suas avaliações e quais são os critérios para definir se um café é tradicional ou superior.
E o Grão Gourmet nessa história?
O blog Grão Gourmet foi criado única e exclusivamente para compartilhar essa paixão que temos pelo café. Esse é nosso pretexto para compartilhar as mais variadas informações e para te chamar para tomar um café conosco, mesmo que seja vocês daí e a gente daqui.
Esse espaço foi desenhado para informar e convidar nossos leitores para refletir sobre tudo que envolve a cultura do café. Com base nisso, achamos pertinente compartilhar um fato que muita gente ignorava. Recebemos muitas mensagens, por exemplo, informando que não se sabia que existia um limite mínimo de impurezas no café autorizado pela ANVISA. Foi por isso que compartilhamos esse dado.
Aproveitamos esse espaço para esclarecer alguns questionamentos. Muitos dos cafés que ficam no mercado interno apresentam defeitos e muitos grãos brocados (grãos com o inseto da broca), daí a existência de micropartículas de insetos detectados nos testes de 2015 da PROTESTE.
Grãos “Brocados” – praga comum no cafezal.
Uma saca de café verde apresenta, em média, de 10 a 15% de grãos defeituosos, isso é perfeitamente normal. Ao deixar a fazenda e chegar ao armazém, esse café passa por um processo de separação, onde os grãos defeituosos, como os “brocados”, são separados dos grãos sem defeitos.
Os melhores grãos acabam sendo destinados a mercados que pagam mais por eles, geralmente o mercado externo, enquanto os grãos defeituosos acabam sendo consumidos no mercado interno.
O Grão Gourmet é um serviço de assinatura que leva aos seus assinantes os cafés especiais que geralmente são exportados, nossos grãos são certificados (UTZ, Certifica Minas, Rain Forest, entre outros) e garantimos que a qualidade é de exportação. Alguns inclusive, já ganharam concursos de qualidade em suas regiões.
Nossos produtos não foram avaliados nos testes da PROTESTE em 2015, pelo fato da empresa focar nos cafés tradicionais e em grandes marcas do mercado. Como trabalhamos unicamente com cafés especiais, não fomos listados/analisados.
Nada impede, porém, que nossos grãos sejam testados e avaliados. Estamos à disposição!
https://www.graogourmet.com/blog/proteste-encontra-substancia/